Uma política de senhas corporativas envolve regras que devem ser seguidas por todos os usuários, assegurando que critérios mínimos de segurança durante o acesso aos sistemas e dispositivos corporativos sejam seguidos.

A maioria das violações de hackers é feita a partir de senhas corporativas legítimas consideradas fracas. O sequestro de dados feito por ransomwares foi um dos ataques mais frequentes nos últimos anos. Sua causa, quase sempre, foi por comportamento inadequado no ambiente de trabalho.

Casos como esses reforçam a importância de garantir que os usuários da rede corporativa realizem acessos seguros aos dados da empresa. Uma política de senhas surge nesse cenário para resolver a situação.

PRÁTICAS PARA UMA POLÍTICA DE SENHAS CORPORATIVAS EFICAZ

1. CRIAÇÃO DE SENHAS FORTES

O primeiro passo parece óbvio, mas no dia a dia corrido das empresas, muitos funcionários acabam criando senhas fracas para não se esquecerem delas. No entanto, isso pode causar grandes problemas. Senhas fáceis, que possuem dados como datas de nascimento, endereços ou outras informações pessoais dos usuários podem ser facilmente descobertas por criminosos. Por esse motivo, é fundamental que funcionários criem senhas fortes e sem dados importantes sobre si para dificultar o trabalho dos hackers. Estabelecer um número mínimo de dígitos, como de 8 caracteres, por exemplo.

2. UTILIZAÇÃO DE CARACTERES DIFERENTES

Essa prática é complementar à apresentada anteriormente. A utilização de palavras únicas ou até mesmo frases curtas não garantem a segurança da senha. É necessário variá-las o máximo possível, misturando letras, números e outros caracteres especiais. Se possível, a senha não deve formar nenhuma palavra que tenha sentido e não repetir nenhum símbolo.

3. NÃO UTILIZAR A MESMA SENHA EM TODAS AS CONTAS

Outro grande erro cometido por muitos usuários em busca de agilidade é utilizar a mesma senha para todos os seus logins, ou apenas trocar algumas letras ou números no final. Nesses casos, quando uma invasão acontece, a empresa pode sofrer com um efeito dominó, em que diversos acessos daquele usuário serão invadidos.

4. TROCA PERIÓDICA DAS SENHAS

Além da utilização de padrões mais complexos para garantir a proteção das senhas, é necessário tomar outra medida para reforçar a segurança. É preciso aplicar uma regra para todos os usuários, solicitando que a senha seja alterada a cada período estabelecido. Desse modo, os usuários adquirem o hábito de atualizar suas chaves de acesso, limpando um possível rastro que poderia permitir a entrada de desconhecidos.

5. BLOQUEIO DE CONTAS

Outra prática importante que deve fazer parte das políticas de senha é o bloqueio de contas. Caso comum, depois de um certo número de tentativas de tentar entrar no sistema com o login de algum funcionário. Ou caso algum dispositivo conectado seja roubado.

6. CONSCIENTIZAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS

Não basta estabelecer diversas regras de proteção se elas não são seguidas. É necessário conscientizar todos os usuários sobre a importância da política de senhas e de segui-la.

Os colaboradores devem saber que o compartilhamento de suas senhas, mesmo com membros de seu time de trabalho, é proibido.

Fonte: https://www.penso.com.br/por-que-as-empresas-precisam-de-uma-politica-de-senhas-corporativas/